Satélite Geoestacionário contribui para a inclusão digital em todo o Brasil –


Equipamento terá alta capacidade de transmissão de dados de internet, inclusive no interior do país

Palestrante Edson Gusella mostra benefícios do acesso a internet para todos

Na tarde de sexta-feira (11), durante a 74ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (Soea) foi ministrada palestra sobre Telecomunicações Espaciais com o palestrante Edson Gusella Júnior. Ao falar sobre o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), que em breve será lançado, Júnior defendeu que a oferta de capacidade do SGDC será de grande importância para prover infraestrutura de internet para todas as localidades que ainda não dispõem de acesso terrestre. “Reduzirá, assim, a segregação digital e levará informações aonde anteriormente ela não estava acessível, tudo isso com um preço razoável”, disse o palestrante.

Segundo dados apresentados, esse serviço viabilizará alta conectividade de instituições de ensino superior, localizados no interior do país, e escolas de níveis fundamental e médio na zona rural e cidades do interior. “A engenharia brasileira está convocada para implementar essa infraestrutura de comunicação, que funcionará como elemento agregador de desenvolvimento e integração nacional”, convidou Edson.

Sobre o Satélite

O SGDS, operado e controlado no Brasil por engenheiros brasileiros, é o maior satélite de internet no Brasil, cobre todo o território, sem exceção, e esse é seu maior diferencial. O equipamento tem vida útil de 18 anos, sendo que os principais setores que se beneficiarão são a indústria e comércio situados no interior ou regiões periféricas das grandes capitais, pois poderão contar com alta capacidade de infraestrutura de comunicação e, com isso, ampliarão a competitividade e o desenvolvimento econômico nacional.

Valcilena Oliveira
Equipe de Comunicação do Sistema Confea/Crea e Mútua